Os 5 aviões de combate mais antigos da América do Sul | TechBreak - Tudo sobre Tecnologia

Os 5 aviões de combate mais antigos da América do Sul

Lockheed Martin A-4AR Fightinghawk
Lockheed Martin A-4AR Fightinghawk
Lockheed Martin A-4AR Fightinghawk

As forças aéreas da América do Sul já foram conhecidas por contar com vários modelos de aviões considerados obsoletos frente às principais potências militares do mundo.

+ Conheça os aviões de caça a jato usados na América do Sul
+ Veja os 5 aviões de combate mais antigos ainda em uso
+ EUA relutam em fornecer caças F-16 para a Ucrânia; entenda

Mas embora esse atraso tenha diminuído nos últimos anos, com a incorporação de aviões como os F-16C (Chile) e Saab Gripen E (Brasil), ainda existem voando na defesa dos céus da América do Sul vários modelos de aeronaves que entraram em serviço militar há mais de 50 anos.

Confira os aviões de combate mais antigos da América do Sul. Os dados são do anuário World Air Forces 2022.

Douglas A-4 Skyhawk

Marinha recebe novo A-4 Skyhawk modernizado
Marinha recebe novo A-4 Skyhawk modernizado

Criado como um jato de ataque baseado em porta-aviões, entrou em serviço nos Estados Unidos em 1956. O Brasil e a Argentina são os dois últimos operadores militares do modelo no mundo.

A Argentina começou a utilizar os seus primeiros A-4 nos anos 1960, mas em 1997 incorporou o A-4AR, uma versão modernizada do avião criada especialmente para o país. Atualmente conta com 23 exemplares monopostos do modelo.

Já o Brasil comprou os seus A-4 usados do Kuwait em 1997. Três monopostos foram modernizados recentemente pela Embraer.

Canadair CF-5A

Canadair CF-5A
Canadair CF-5A

O Canadair CF-5A é a versão produzida sob licença no Canadá do americano Northrop F-5A, que entrou sem serviço em 1962. A Venezuela adquiriu os seus exemplares do caça supersônico no início dos anos 1970, dos estoques da Real Força Aérea Canadense.

Seis exemplares seguem em operação no país da América do Sul. Diferente dos mais moderno F-5E, não conta com radar e traz um armamento de dois canhões de 20 mm, bombas não guiadas e mísseis de curto alcance Sidewinder.

Cessna A-37 Dragonfly

Cessna A-37 Dragonfly
Cessna A-37 Dragonfly

O Cessna A-37 Dragonfly é um jato subsônico de ataque de baixo custo criado a partir do treinador T-37. Em serviço desde 1967 e com um histórico de combate na Guerra do Vietnã, está equipado com uma metralhadora de 7.62 mm e possibilidade de usar bombas não guiadas e foguetes.

Ainda conta com exemplares operando na Colômbia (14 unidades), Peru (20 unidades) e Uruguai (7 unidades).

Northrop F-5E

FAB vai testar sistema que irá permitir troca de dados em tempo real entre aviões
Northrop F-5

Projeto bastante atualizado com base no F-5A, o supersônico F-5E entrou em serviço em 1973 e segue em uso em várias forças aéreas do mundo.

Na América do Sul, é atualmente o principal caça da defesa aérea do Brasil e conta com 42 unidades em operação. Já no Chile, são 10 exemplares do jato. Ambos os países submeteram os seus aviões a extensos processos de atualização.

IAI Kfir

Kfir C12
Kfir C12

Baseado no projeto do francês Dassault Mirage III, a Israel Aircraft Industries produziu o supersônico Kfir, jato que entrou em serviço no país do Oriente Médio em 1976.

A Colômbia comprou os seus primeiros Kfir usados no final dos anos 1980, diretamente de Israel. Desde então, os aviões passaram por um processo de modernização. A Força Aérea da Colômbia conta com 17 aeronaves em serviço.




  • arrow