LinkedIn: pesquisadores encontram perfis com rostos fake criados por inteligência artificial | TechBreak - Tudo sobre Tecnologia

LinkedIn: pesquisadores encontram perfis com rostos fake criados por inteligência artificial

Software usa dados das redes sociais para fazer reconhecimento facial
Software usa dados das redes sociais para fazer reconhecimento facial
LinkedIn: pesquisadores encontram perfis com rostos fake criados por inteligência artificial

Dois pesquisadores do Observatório de Internet de Stanford, nos Estados Unidos, identificaram mais de mil perfis na rede social profissional LinkedIn ligados a fotos que foram criadas com o uso de inteligência artificial.

+ Google irá usar inteligência artificial para prevenir suicídios
+ Meta anuncia supercomputador de inteligência artificial “mais rápido do mundo”
+ PornHub usa inteligência artificial para recuperar filmes eróticos centenários

De acordo com uma reportagem do site NPR.org, os responsáveis pela descoberta foram Renée DiResta e Josh Goldstein. O trabalho de pesquisa foi iniciado após a própria Renée ser abordada na rede por dois perfis com fotos bem suspeitas.

Segundo ela, um dos sujeitos, que se apresentou com o nome Keenan Ramsey, usava apenas um brinco e tinha falhas bem suspeitas no cabelo. Problemas que foram captados pelos olhos bem treinados da pesquisadora. Inicialmente, ela pretendia ignorar a mensagem. Até que recebeu o mesmo recado de outro usuário suspeito.

Por fim, eles descobriram que esse uso questionável da tecnologia tem um fim bem menos moderno do que se imagina: esses perfis fake são criados para fim promocionais para venda de produtos e serviço, contornando assim a limitação do LinkedIn para envio de mensagens. Qualquer um que caia na isca era redirecionado para um representante comercial real.

Ainda segundo a publicação, as mais de 70 empresas supostamente ligadas a esses perfis e mostraram surpresas com a revelação e negaram ter autorizado a criação de perfis fakes ou de retratos gerados por computador. Após o contato dos pesquisadores, o LinkedIn revelou que apagou os perfis investigados.




  • arrow