Funcionários do Facebook reprovam decisão de Zuckerberg sobre tuítes de Trump | TechBreak - Tudo sobre Tecnologia

Funcionários do Facebook reprovam decisão de Zuckerberg sobre tuítes de Trump

Na semana passada, Mark Zuckerberg defendeu a decisão de não tomar nenhuma medida contra comentários publicados pelo presidente dos EUA, Donald Trump, sobre o caso George Floyd. A atitude de Mark, porém, gerou forte reação dentro do Facebook.

Funcionários de diversas áreas e níveis criticaram a atitude do CEO da empresa. Algumas críticas abaixo.

“Fornecer uma plataforma para espalhar violência e desinformação é inaceitável, independentemente de quem é o usuário. Discordo da posição de Mark e vou trabalhar para que haja mudanças” – Andrew Crow, chefe de design do acessório de videochamadas Portal.

“Não sei o que fazer, mas sei que não fazer nada é inaceitável. Sou um funcionário do FB que discorda completamente da decisão de Mark sobre não fazer nada sobre os tuítes de Trump. Não estou só dentro do Facebook” – Jason Stirman, da divisão de P&D da empresa.

Post da discórdia

O post que criou toda essa confusão foi um comentário de Trump sobre os protestos pela morte de George Floyd. “Quando começam os saques, começam os tiros”, disse o presidente no texto.

Enquanto o Twitter imediatamente adicionou um comunicado afirmando que o tuíte violou as regras de incitação de violência, o Facebook nada fez. Na visão de Zuckerberg, o tuíte era um alerta aos manifestantes, e não uma ameaça. Por isso, ele não foi removido. “Pessoalmente discordo de como o presidente falou sobre a questão, mas acredito que as pessoas devem ver isso para que a discussão se dê em um ambiente transparente”, argumentou Zuck.

Cadê o tribunal?

Com a repercussão da decisão de Zuck, muitos usuários recorreram à conta de Twitter do conselho de conteúdo da empresa, já conhecido como ‘tribunal do Facebook’. Afinal, este é exatamente o tipo de questão para o qual ele está sendo criado.

Entretanto, o conselho respondeu que ainda está sendo estruturado e só poderá arbitrar sobre este tipo de questão no fim deste ano. O Facebook divulgou recentemente os primeiros nomes do conselho que está sendo criado para deliberar sobre conteúdo polêmico. O pesquisador brasileiro Ronaldo Lemos é um dos integrantes.

Veja também:

+ De biquíni verde cavado Lívia Andrade arranca elogios da web ao tomar banho de sol

+ Irmã de Juliana Caetano exibe corpão e brinca com fãs: “O que te faz ver estrelas?”

+ Ticiane Pinheiro posa de maiô decotado e internautas suspeitam de gravidez

+ Aos 68 anos, Bruna Lombardi posta foto de biquíni ‘contra sua vontade’

+ Marcella Rica e Vitória Strada vão se casar

+ Vídeos íntimos de Raissa Barbosa vazam em sites de conteúdo adulto

+ Carla Perez fala sobre vida nos EUA: “Aqui é vida normal”

+ Ellen Rocche posta foto de ensaio nu na ‘Playboy’ e ganha elogios dos fãs

+ O bico do seu p… é rosa? Juliana Caetano, responde a fã de maneira ousada

+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona

+ 10 coisas que os pais fazem em público que envergonham os filhos

+ Veja o significado dos 10 sonhos mais comuns

+ Denise Dias faz seguro do bumbum: “Meu patrimônio”

+ Líder de seita sexual apocalíptica é condenado a 1.075 anos de prisão

+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok

+ ‘Borboletas no estômago’ indicam algo além de estar apaixonado

+ 10 sinais de que seu parceiro não te ama (como você gosta dele)

  • arrow