Funcionários do Facebook reprovam decisão de Zuckerberg sobre tuítes de Trump | TechBreak - Tudo sobre Tecnologia

Funcionários do Facebook reprovam decisão de Zuckerberg sobre tuítes de Trump

Na semana passada, Mark Zuckerberg defendeu a decisão de não tomar nenhuma medida contra comentários publicados pelo presidente dos EUA, Donald Trump, sobre o caso George Floyd. A atitude de Mark, porém, gerou forte reação dentro do Facebook.

Funcionários de diversas áreas e níveis criticaram a atitude do CEO da empresa. Algumas críticas abaixo.

“Fornecer uma plataforma para espalhar violência e desinformação é inaceitável, independentemente de quem é o usuário. Discordo da posição de Mark e vou trabalhar para que haja mudanças” – Andrew Crow, chefe de design do acessório de videochamadas Portal.

“Não sei o que fazer, mas sei que não fazer nada é inaceitável. Sou um funcionário do FB que discorda completamente da decisão de Mark sobre não fazer nada sobre os tuítes de Trump. Não estou só dentro do Facebook” – Jason Stirman, da divisão de P&D da empresa.

Post da discórdia

O post que criou toda essa confusão foi um comentário de Trump sobre os protestos pela morte de George Floyd. “Quando começam os saques, começam os tiros”, disse o presidente no texto.

Enquanto o Twitter imediatamente adicionou um comunicado afirmando que o tuíte violou as regras de incitação de violência, o Facebook nada fez. Na visão de Zuckerberg, o tuíte era um alerta aos manifestantes, e não uma ameaça. Por isso, ele não foi removido. “Pessoalmente discordo de como o presidente falou sobre a questão, mas acredito que as pessoas devem ver isso para que a discussão se dê em um ambiente transparente”, argumentou Zuck.

Cadê o tribunal?

Com a repercussão da decisão de Zuck, muitos usuários recorreram à conta de Twitter do conselho de conteúdo da empresa, já conhecido como ‘tribunal do Facebook’. Afinal, este é exatamente o tipo de questão para o qual ele está sendo criado.

Entretanto, o conselho respondeu que ainda está sendo estruturado e só poderá arbitrar sobre este tipo de questão no fim deste ano. O Facebook divulgou recentemente os primeiros nomes do conselho que está sendo criado para deliberar sobre conteúdo polêmico. O pesquisador brasileiro Ronaldo Lemos é um dos integrantes.

Veja também

+ Rolex de ouro bate recorde e é vendido por R$ 8 milhões

+ Samsung lança TV 8K de 292 polegadas, a maior TV do mundo

+ Cientistas localizam o centro do Sistema Solar — e advinhem, não é o Sol

+ Carol Nakamura compartilha projeto de sua mansão de R$ 2 milhões; veja

+ Maria Zilda relembra quando soube que Ary Fontoura era gay

+ Uma Harley-Davidson com 360 diamantes e peças banhados a ouro, a moto mais cara do mundo

+ Veja momento em que bola de fogo explode no céu de Tóquio

+ Dicas fáceis de como limpar panela queimada

+ Saiba mais sobre a vacina BCG, uma das mais importantes da infância

+ 4 passos fáceis para limpar o espelho com produto caseiro

+ Veja cinco coisas que provocam mau cheiro em cães e saiba como combatê-las

+ Fazer o bem alivia dores físicas e mentais, aponta estudo


  • arrow